Início > Progepe lanca cartilha de prevencao e combate violencia contra mulheres
Data de Publicação 25/11/2022 - 13:30 Atualizado em 25/11/2022 - 15:58 401 visualizações

Progepe lança Cartilha de Prevenção e Combate à Violência contra as Mulheres

A Pró-reitoria de Gestão de Pessoas (Progepe), da Universidade Federal do Pampa (Unipampa), lançou uma "Cartilha de Prevenção e Combate à Violência contra as Mulheres". A ação foi realizada hoje, 25 de novembro, em alusão ao Dia Internacional da Violência contra a Mulher. A inciativa é da Divisão de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho (DASST) e da Divisão de Perícias (DP), vinculadas à Coordenadoria de Qualidade de Vida e Desenvolvimento de Pessoal (CQVDP) da Progepe. 

O objetivo da cartilha é informar e conscientizar a comunidade acadêmica sobre a urgente necessidade de prevenir e eliminar a violência contra as mulheres. O material traz os tipos de violência contra a mulher, o ciclo de violência, os mitos sobre a violência doméstica e como buscar ajuda. O documento foi enviado a todos os servidores, docentes e técnicos via e-mail. A campanha com a cor laranja simboliza a luta pela eliminação da violência contra a mulher. Por ser uma cor vibrante e positiva, o laranja representa um futuro livre de violência. 

O Dia Internacional da Violência contra a Mulher foi instituído em 17 de dezembro de 1999 pela Assembleia Geral das Nações Unidas, como uma homenagem ao sacrifício de Las Mariposas. A data homenageia as irmãs Mirabal, Pátria, Minerva e Maria Teresa, dominicanas que ficaram conhecidas como Las Mariposas por sua opusição à ditadura de Rafael Leónidas Trujillo, tendo sido assassinadas em 25 de novembro de 1960.

Segundo o Relatório do Fórum Brasileiro de Segurança Pública de 2021, a porcentagem de mulheres que afirmaram ter sofrido algum tipo de violência ou agressão no período de 12 meses anteriores - durante a pandemia de COVID-19 - foi de 24,4%, o que equivale a 17 milhões de mulheres. A maioria dos casos acontece dentro de casa: 48,8% delas relataram que a violência mais grave sofrida no último ano ocorreu no ambiente doméstico. Por outro lado, 44,9% das mulheres afirmam não terem feito nada diante da agressão. Vale lembrar que ainda há casos de violência doméstica não computados devido à vergonha, à coação e ao medo que as vítimas têm em denunciar.

Confira a íntegra da Cartilha de Prevenção e Combate à Violência contra as Mulheres

Com informações de Cindy Rosa Martinez

 

    • Card de cartilha de prevenção da violência contra as mulheres
      Cartilha traz informações sobre tipos de violência e maneiras de buscar ajuda - Divulgação